Há pessoas que naturalmente levam mais tempo para levar a termo os processos corporais, caracterizando a condição de metabolismo lento. Assim, é comum a pessoa sentir mais sono, ter menos disposição para o trabalho ou levar mais tempo para digerir e processar completamente os alimentos, o que acaba também por comprometer a função intestinal, reduzindo as idas ao banheiro.

 

Ao contrário, um metabolismo acelerado impõe um gasto calórico maior e, se a alimentação não fornece todas as calorias requeridas, o organismo utiliza as próprias reservas, promovendo perda de peso. Por outro lado, traz também um aumento da atividade cerebral, o que deixa o corpo todo em alerta, estimulando a ação. Alguns alimentos contém substâncias vasoativas que contribuem para a aceleração do metabolismo. É o caso da cafeína, encontrada no café, chá mate e chá preto. A capsaicina, princípio ativo da pimenta, pode atuar no sistema nervoso simpático aumentando a liberação de catecolaminas, contribuindo para o controle do apetite. O gengibereno, substância encontrada na raiz de gengibre já foi apontado como auxiliar na aceleração do metabolismo e apenas 2 grãos de mostarda por dia também podem auxiliar este processo. Alimentos ricos em fibras como arroz e pão em versões integrais, verduras, legumes e frutas também tem a capacidade de acelerar a digestão, turbinando o metabolismo.

 

Em geral, uma vida ativa já é o suficiente para estimular os processos metabólicos. Dispensar o uso do carro quando possível, manter o controle remoto fora do acesso e exercitar-se regularmente são boas formas de garantir um nível adequado de atividade. Tomar pelo menos um copo de água a cada hora do dia também constitui um bom estímulo, que além do mais também leva a um gasto calórico maior, pois o nosso corpo precisa elevar a temperatura dessa água a 36 graus, temperatura do nosso corpo, o que também promove gasto calórico. Evoluímos à condição de bípedes e para sobreviver precisamos buscar os alimentos na natureza. Levar a vida sobre rodas e manejando um controle remoto e adotar os alimentos processados como principal fonte de nutrientes é, no mínimo, querer andar na contra mão da evolução.

 

 Com carinho,

Sheila Castro – Nutricionista

NAIS/VIVER BEM

sheila.castro@unimedsjc.coop.br

 

 

Publicações

Navegue nas páginas internas dessa sessão